Como gerenciar a inadimplência em uma instituição de ensino

0

Assim como ocorre em todos os setores do mercado, as instituições de ensino estão sujeitas à inadimplência e este é um problema que tem crescido consideravelmente, causando sérias dificuldades às instituições.

Além de situações como a falta de planejamento dos pais, há também a questão econômica brasileira (que se encontra crítica). Isso faz com que muitos alunos se tornem inadimplentes, e é nessa hora que o gerenciamento desses casos fará toda a diferença. Boa parte das instituições de ensino convivem com esse problema, porém, muitas já implantaram sistemas, processos e medidas estratégicas para gerenciar da melhor forma esta questão.

Com o aumento da inadimplência, algumas instituições de ensino chegam a tomar certas medidas que vão até mesmo contra a legalidade. O artigo 42, do Código de Defesa do Consumidor, trata da questão da exposição do consumidor a questões constrangedoras, por exemplo. Isso pode (e deve) ser evitado.

O que a instituição de ensino pode fazer para reverter esta situação? Uma das respostas está na prevenção O principal problema está em esperar ele ocorrer. Há de se tomar medidas que se antecipem a esse tipo de problema.

Gerenciamento de inadimplência é uma ferramenta de prevenção. Uma forma é enviar a mensalidade utilizando todos os canais possíveis, seja pelos correios, e-mail, SMS, mensagens, etc. Uma alternativa que muitas instituições tem adotado, é deixar o boleto disponível no seu site para que possam ser impressos pelos responsáveis e em alguns casos, com disparos de mensagens eletrônicas informando que o boleto encontra-se disponível em determinado canal da instituição.

Um caminho possível para atenuar os problemas causados pela inadimplência, é realizar parcerias com instituições financeiras. Com as restrições no Fies (Fundo de Financiamento Estudantil), o potencial de migração para o crédito privado é estimado em cerca de 500 mil contratos em 2015, o que é visto como uma porta de entrada de novos clientes para os bancos. Instituições de ensino acreditam que o Fies será reduzido a um terço do volume do ano passado: foram 732.243 novos contratos em 2014, enquanto os desembolsos alcançaram 13,75 bilhões de reais, segundo o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

Uma instituição de ensino privado vive basicamente da receita das mensalidades dos serviços educacionais contratados. Caso parte desta receita não ocorrer, e se a instituição não fizer uma previsão deste percentual de não entradas, poderá ter seu planejamento financeiro extremamente comprometido. Por isso, a inadimplência deve merecer atenção constante de quem faz a gestão financeira da instituição.

Veja algumas ideias para estrategizar essa cobrança:

  • não realizar concessões sem que existam contrapartidas. O devedor sempre terá um argumento que, da ótica dele, é plausível;
  • apresentar uma proposta de pagamento da dívida, não abrindo mão dos direitos da instituição;
  • se a proposta não for aceita, propor uma nova, ou um adiantamento por conta da dívida;
  • tentar captar quais as reais possibilidades e condições do devedor e o mínimo que ele está disposto a aceitar.

Para que a inadimplência seja tratada com mais eficiência e eficácia, é recomendável estruturar melhor a política de cobranças que integrem: setor de cobranças, maior incentivo e valorização aos adimplentes, facilidades de pagamentos das mensalidades, pessoas contratadas e treinadas especificamente para cobranças e negociações, softwares de gestão de inadimplência, acompanhamento sistemático da parte administrativa e jurídica do setor de cobranças, entre outras medidas.

Adote um excelente software de gestão acadêmica que lhe permita gerenciar a inadimplência, prevendo cenários futuros. A Matheus Soluções pode lhe ajudar. Entre em contato, e tire as suas dúvidas.


Deixar uma Resposta

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *